Questo sito usa cookie per fornirti un'esperienza migliore. Proseguendo la navigazione accetti l'utilizzo dei cookie da parte nostra OK
iic_riodejaneiro

O Canto Milenar dos Judeus Italianos

Data:

21/11/2011


O Canto Milenar dos Judeus Italianos

Coro del Tempio Maggiore di Roma

Momento Itália Brasil

Com a presença do Coro do Tempio Maggiore de Roma no Grande Templo Israelita do Rio de Janeiro, no proximo dia 21 de novembro as 20 horas , o público brasileiro poderá apreciar um espetáculo único, rico em tradições históricas e culturais. Pela primeira vez na América Latina, o Coro vai celebrar os 150 anos da unificação da Itália, mostrando a tradição musical das sinagogas daquele país. Além de preservar elementos do antigo som do Templo em Jerusalém, as melodias foram tecidas em mais de dois mil anos de diálogo, encontros e desencontros entre o mundo judaico, católico e o mosaico de principados e cortes da península italiana. A música sempre foi uma parte importante da cultura judaica italiana, com suas diferentes origens. De vários universos foram preservados sons e melodias: da antiga Judeia ao mundo grego bizantino, da aristocrática herança sefaradi, ibérica e norte-africana, aos místicos asquenazim. Durante séculos de alternância entre convivência e perseguição, judeus e não judeus tornaram-se co-autores em grandes correntes do humanismo, renascimento e barroco. Através a linguagem da música, o mundo judaico e italiano formou conexões íntimas que permanecem como traços inextricáveis da história das duas culturas. A variedade cultural das regiões italianas se misturou às diferentes heranças judaicas, formando lindíssimas variações de liturgia, costumes, expressões artísticas e dialetos. O grande compositor barroco Benedetto Marcello, por exemplo, costumava ir à sinagoga para transcrever a música judaica que se tornou a inspiração de suas sonatas. O famoso músico judeu da corte, Salomone Rossi, importou da liturgia sinagogal elementos da música erudita daquela época. Os coros da sinagoga, muitas vezes acompanhados por instrumentos e sempre pelo cantor solista, desenvolveram um repertório vasto e único no mundo ocidental. Ao o advento das correntes de unificação nacional e emancipação dos judeus no século XIX, os coros judeus foram ao encontro do mundo da ópera e ali acharam seu ambiente sonoro. O compositor da unificação, Giuseppe Verdi (1813-1901), encontrou na história do povo judeu o emblema do espírito de liberdade e igualdade da nova nação italiana. Seu trabalho principal, Nabuco, abre como o famoso “Hino dos escravos judeus”, inspirado no “Salmo 137” (“junto aos rios da Babilônia”): o “Va' Pensiero”. Os judeus italianos participaram com grande energia no processo da unificação da Itália e, logo no início do século XIX, as sinagogas incorporaram em seu cânone milenar as melodias e as sonoridades próprias do teatro. O repertório do coro romano é rico de citações e homenagens a Verdi e Rossini, e adquiriu o hino do Nabuco no seu repertório junto com rezas compostas em homenagem à família real, que havia emancipado os judeus da discriminação e segregação dos guetos. Ficha Técnica: Di Segni Claudio (Diretor do Coro); Calò Luciano, Di Capua Alberto, Di Marco Porto, Mallel Giuseppe, Vitali Ariodante (Tenores); Coen Daniel, Di Maurizio Veroli, Orvieto Enrico, Pace Emanuele, Vitali Cesare (Baixos); Zucchi Remo (Organista); Funaro Alberto (Chazan).

Informazioni

Data: Seg 21 Nov 2011

Ingresso : Libero


603