Questo sito usa cookie per fornirti un'esperienza migliore. Proseguendo la navigazione accetti l'utilizzo dei cookie da parte nostra OK
iic_riodejaneiro

Nabucco

Data:

24/10/2013


Nabucco

Giuseppe Verdi

Commemorazioni del Bicentenario di Giuseppe Verdi

Já serão 200 anos do seu nascimento (10/10/1813, faleceu em 27/01/1901). Giuseppe Verdi desfruta de uma glória imorredoura no universo operístico universal, vencedor de todas as barreiras lingüísticas e culturais. Todos se rendem à hipnose de sua música, inclusive abençoado na sua pátria, Itália. As vozes através do canto foram as essências das expressões dramáticas das realidades da vida, descortinando dramas humanos, traições, amores, religiosidade, fraternidade, fidelidade, espiritualidade, pátrios sentimentos, conquistas, guerras e lutas familiares. Portanto, podemos afirmar que sua enciclopédia operística musical constituiu um considerável marco na evolução do teatro lírico italiano, não apenas musical, mas, acima de tudo pátrio, social e cultural. Sabe-se muito bem que o abraço de Giuseppe Verdi ao melodrama foi a forma que encontrou para difundir as suas aspirações patrióticas na época do “Risorgimento” 1815 / 1870. Itália, uma terra invadida, suas óperas sujeitas à censura, sua liberdade contida; Giuiseppe Verdi soube encontrar um meio furtivo de levar sua mensagem de "Liberdade" aos ouvidos dos italianos em temas dramáticos, velados em astúcia teatral. Ópera grandiosa de Verdi, Nabucco é um drama lírico com libreto de Temistocle Solera dividido em quatro partes. A estreia em março de 1842, no Teatro alla Scala de Milão, foi um enorme sucesso, dando início a uma extensa turnê por vários teatros italianos e europeus. Nabucco revelou a veia passional de Verdi, e seu sucesso é derivado do impressionante poder evocativo de “Va´, Pensiero”, uma das mais famosas melodias de todos os tempos, em homenagem à saudade que o povo hebreu sentia de sua terra natal. Durante o século XIX, os italianos ainda não tinham uma nação unida, estavam sob o domínio da Áustria e da Espanha e adotaram a ária como canção nacional - canção de um povo que ansiava por ver a sua terra livre dos inimigos e novamente unida.Com Juan Pons, Maria Guleghina, Samuel Ramey e James Levine Metropolitan Opera, 2002 - 142 minutos * * *Verdi em suas óperas teve a divina inspiração musical Quando ao pensamento deu uma asa celestial E ao compor sobre o sentimento da alma Com ela levou a dourada palma. Sobre um precoce túmulo da adversidade Construiu pirâmide de triunfal dignidade. Ao mostrar-nos o pórtico da nostalgia O fez com firmeza e musical magia No labirinto da ópera O Minotauro é a compreensão O novelo é o abraço que te espera. E o resto? Virá com a deusa emoção. Mendel Mendlewicz Nascido em Wislica, Polônia, em 1929, Mendel Mendlewicz veio para o Brasil em 1939. Atuou durante alguns anos (desde os 14 aos 19 anos) como comparsa (figurante) em óperas no Teatro Municipal. Há várias décadas, tem se dedicado a incentivar e divulgar a audição de óperas em diferentes espaços sociais. Autor do livro “Verdi em Versos” lançado no Instituto de Cultura Italiana em 2004. Nos anos 1995 - 96, coordenou as apresentações de operas no Istituto Italiano di Cultura num programa intitulado “Giovedi della Opera”. Espaço Rio Musica O Espaço Rio Música no seu nono ano de atividade apresenta para seus associados o que há em DVDs de Óperas, Ballets, Concertos, Recitais e Documentários, em gravações recentes e históricas, com som de alta fidelidade e imagem (inclusive Blu-Ray) com projeção em telão de 100 polegadas como no cinema. O espaço conta com um auditório de 35 lugares, com isolamento acústico e refrigerado onde são feitas pelo menos 10 apresentações semanais inclusive com palestras de especialistas no assunto.

Informazioni

Data: Gio 24 Ott 2013

Ingresso : Libero


697